10.29.2008

INDIA 2008

Acho que 'e importante escrever um pouco daquilo que tenho pensado sobre a India...
As imagens nao ilustram nada daquilo que 'e mais forte e importante nesta viagem.
Nao estou a falar de espiritualidade, nem religiao nem nada de positivo. Aquilo a que as pessoas normalmente chamam "ex'otico" 'e na verdade uma esquizofrenia colectiva... no minimo.

O barulho 'e insuportavel. Toda a gente buzina com a estrada vazia 'a frente e rebentam foguetes e bombas dia noite para festejar o Diwali (festival religioso mais importante).

Mais grave do que o barulho que 'e insurdecedor sao a poluicao e os cheiros: nao sabia que o meu nariz me podia fazer sofrer tanto como aqui.
Depois de 15 dias doente por causa da poeirada (e a antibi'otico - como alguns se lembram) apanhamos escapes em cima da cara (sem catalizador) a toda a hora, acompanhados de cheiros a esgoto constante, fogueiras de lixo e incensos repelentes de pessoas.

Mas nao ficamos por aqui, pior ainda que o cheiro, 'e a ausencia total de limpeza e higiene em todo o lado: quartos de hotel, restaurantes, ruas, pessoas, animais... tudo parece estar forrado de uma camada de bosta de vaca e foligem de cremacoes e outros restos animais e humanos muito bem homogeneizados.

Muito pior que os deserranjos gastro-intestinais mais do que certos, 'e a total ausencia de respeito pelo outro e pelo seu espaco.
As pessoas sao verdadeiramente uma desilusao: a sua maior ambicao e profundidade religiosa (ou filosofica) 'e ser como um ocidental (capitalista, rico, limpo, culto, etc..).
Os condutores de Tuk tuk (rikshaw a motor) sao piores que carracas e acreditem que estou a ser simpatico.
Os empregados de restaurante sao antipaticos, inconvenientes e inconpetentes (nao percebem os pedidos sequer apontando no menu, e demoram eternidade para alem de protestarem e refilarem quando o erro 'e deles).
A unica coisa que querem na vida e de n'os 'e dinheiro. Sao mais materialistas do que os consumistas que conheco. Pedem e enganam por da ca aquela palha... S'o roubam surrateiramente porque nao tem energia nem coragem para assumir aquilo que sao.

Apesar de tudo isto h'a coisas que me animam!!! Deixem c'a ver...


Hummmm...


Ah! Sim claro: nao estar doente, nao ter diarreira, nao me terem atropelado, nem me terem cuspido para cima... Um dia sem pisar uma bosta de vaca 'e uma bencao.

O c'umulo do que ha de mau na india sao os pedintes. Andam atr'as das pessoas e exigem atencao, tentam enganar os estupidos e partem do principio que todos o sao. Nao 'e possivel distinguir um guru de um pedinte: vestem-se ambos de trapos nojentos e banham-se certamente em aguas f'etidas.

Mesmo o simples an'onimo numa fila sem ordem, para comprar um bilhete, pode parar a olhar-nos para a cara a nao mais de 30 centimetros, imovel e absorto. Depois de manisfestarmos o nosso desagrado de todas as maneiras possiveis... exceptuando bater-lhe, ele continua!!! Foi preciso outro indiano dizer-lhe que nao estavamos a achar piada... Tirando um pau ou uma pedra a linguagem gestual parece totalmente ineficaz.

Tenho medo de criar preconceitos e luto para nao deixar de ter alguma compaixao por esta sociedade que representa tudo o que menos gosto no mundo e no homem: hierarquias irracionais, loucura, maldade, injustica, nao cumprimento das regras mais basicas e porcaria... muita porcaria a todos os niveis.

Esta 'e a minha muito sincera opiniao deste subcontinente que dizem vir a tornar-se numa superpotencia... veremos de que tipo! Pacificos? Tolerantes? Venham c'a e digam de vossa justica. Se conseguirem sentir-se bem durante 3 meses tiro-vos o chapeu.

7 comments:

presstige said...

E já comecaste a gritar? Quando chegou ao ponto que acabas de descrever, o Ian (lembras-te em Hannover?), entretanto já estava num hotel de cinco estrelas, deu consigo a berrar com o empregado de mesa ...
Mas diz-me lá, nao andaste a aprender a abstrair-te d(ess?as coisas?!
Beijinho

Manel Furtado said...

Nunca gritei nem vou gritar. Lembro-me do Ian de hanover e percebo perfeitamente porque 'e que eles teve essa reaccao. Nao acredito que sequer 20 por cento dos portugueses (ou europeus) consigam evitar esse tipo de manifestacoes se nao forem muito avisados. O que eu andei a aprender nao foi a abstrair porque 'e impossivel mas a conseguir continuar funcional apesar de tudo. O que aprendi aqui foi Yoga, Budismo (a lidar com os meus problemas internos de uma nova forma), e a deixar de ser tao exigente... sim mas para os padroes de portugal!

P.S. O hotel de cinco estrelas est'a fora de questao porque o nosso orcamento total por dia 'e de 15 euros... acho que ja tinha referido. MAs acredita que se tivesse essa hipotese se calhar tambem ja la andava!

Rita said...

Amigo... eu já calculava que isso estivesse a ser difícil (eu sei que não aguentaria nem metade do tempo...), mas este retrato que pintas é deveras assustador.

Mas também calculo que haja muita coisa ainda demasiado quente. E que, quando as olhares de novo daqui a um tempo, assumam outra proporção.

E pelo menos agora, com esta experiência, o teu juízo será muito mais real e justo.

Beijos para os dois com saudades e chuva.

afs said...

As fotografias não têm cheiro e são imagens lindas. Anima-te e aproveita! No Paquistão e no Afganistão não é melhor de certeza...

zica said...

Ok, consegui hoje,por milagre, ter net. Falei contigo hoje e de qq maneira ,mm a desabafar, a tua voz é mais serena e madura. Concordo com a Rita; no fim vai valer mais do que a pena. Beijos para os dois. Não se esqueçam, sempre um grande sorriso para tudo ser melhor e os venenos poderem de alguma forma virem a ser transformados em remédios.

Anonymous said...

As tuas criticas são brandas! A Índia é muito pior do k a descreves! Os indigenas são mais mal cheirosos e mais velhacos! A confusão do tráfico...alucinante, os intocáveis a vasculhar nas lixeiras: um horror! A chusma de pedintes: de fugir! Nada K se compare à civilizada e bela Europa. Não dá para comparar! Uma mola no nariz, tampões nos ouvidos, óculos escuros e aí vou eu (só assim se aguenta). Na verdade, não dá para comparar. Abraço a ti e Marta, jorge

Anonymous said...

E quanto a espiritualidade Manel, sem de modo algum querer abalar os fundamentos das tuas crenças, permite-me um conselho: não rezes a nenhum deus, não sigas nenhuma religião, não veneres nenhum "santo": "se vires um Buda mata-o"....A Paz está dentro do teu coração: volta-te para dentro e descobre.
Um abraço a ti e Marta, jorge